Estudo indica que este “alimento” pode proteger-nos do cancro de mama!

Atualmente o cancro de mama é um dos mais comuns nas mulheres. Segundo dados da Organização Mundial da Saúde (OMS), 1 em cada 8 mulheres irá sofrer deste tipo de doença em algum momento da sua vida.

É importante ressaltar que o cancro de mama também pode surgir nos homens, especialmente entre os homens de 60 e 70 anos. No entanto, sua incidência é baixa: somente 1% do total de pessoas afetadas.

cancro

Este tipo de cancro não está entre os mais mortais. Atualmente a expectativa de vida após o diagnóstico continua a subir, e são muitas as mulheres que venceram esta dura batalha.

O cancro de mama e as bactérias

A origem do cancro da mama, como já sabemos, segue sendo desconhecida e impossível de prever. O componente genético e familiar tem um certo peso, assim como determinados estilos de vida ou até termos nos submetido a terapias hormonais após a menopausa.

Ninguém pode saber se vai desenvolver cancro da mama no futuro. Apenas a prevenção e os exames periódicos se mantêm como as melhores armas, nossos melhores aliados para afastar esta doença.

bact Recentemente saiu uma notícia interessante que, sem dúvidas, pode ser de grande utilidade para todos. Detalhamos a seguir todas as informações.

As bactérias e o cancro de mama

A Sociedade Americana de Microbiologia realizou um longo trabalho de pesquisa que foi publicado há pouco tempo em revistas como ScienceDaily e Applied and Environmental Microbiology.

O trabalho e os resultados foram os seguintes:

  • Foi obtido o tecido da mama de 58 mulheres que sofreram uma mastectomia após a descoberta de um tumor maligno, assim como de outras 50 mulheres que sofreram um tumor benigno, e tecido de outras 23 que, após operações estéticas, se ofereceram para doar amostras de suas mamas para a pesquisa.

  • Os microbiólogos tinham como objetivo estudar a presença das bactériasem cada um dos tecidos para analisar se existia alguma diferença entre eles.

  • A investigação foi liderada pelo professor Gregor Reid, da Universidade de Ontário, no Canadá, que descobriu que as mulheres que atravessavam o câncer de mama tinham uma presença notável das bactérias Escherichia Coli e Staphylococcus epidermidis.

  • Estas duas bactérias nocivas promovem a ruptura e uma série de erros em certas cadeias de DNA, e evitam que o oxigênio chegue às células, induzindo o surgimento dos tumores malignos.

  • É importante ressaltar que a presença destas bactérias não faz com que soframos um câncer de mama necessariamente. Ela promove, no entanto, um risco maior para o seu desenvolvimento.

  • Se, além disso, contamos com antecedentes familiares da doença, o perigo se eleva.

Os probióticos para lutar contra as bactérias nocivas que aumentam o risco de cancro da mama

Muitos podem se surpreender com este dado, mas devemos levar em conta que os seios também possuem a sua própria flora bacteriana, uma complexa e importante “microvida” que cumpre sua importante função no interior das mamas.

bebidaA proposta dos cientistas é clara e nos enche de esperança. Um modo de prevenir e inclusive de combater o cancro é protegendo o sistema imunológico e desenhando antibióticos específicos para este tipo de bactérias precursoras do câncer de mama.

Além disso, é necessário elevarmos nosso consumo de probióticos. Os responsáveis por este estudo demonstraram que algo tão simples como incluir na dieta este tipo de alimento pode combater de forma muito eficaz estes micro-organismos nocivos.

Assim, recomendamos melhorar a sua alimentação da seguinte forma, com a finalidade de fortalecer a flora natural dos seios:

  • Inclui no teu café da manhã uma chávena de iogurte branco natural com frutas.

  • Consome 30g diárias de chocolate amargo.

  • Uma vez por dia, toma uma ou duas colheres de sopa (25-50g) de kéfir.

  • O chucrute ou repolho fermentado também é muito benéfico.

  • A sopa de missô é muito recomendável (além de ser saborosa).

  • Entre as bebidas naturais que podes consumir  o chá de kombucha.

Segue a nossa página de facebook:



Leave a Reply

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *