O que acontece com o corpo de uma criança quando os pais gritam com ela…

Ser pais é uma experiência incrível, que certamente enche as nossas vidas de alegria e amor; no entanto, como todas as experiências ricas e complexas, também envolve uma certa quantidade de cansaço e stresse. Correr atrás de crianças agitadas que estão sempre em movimento, absorvendo todos os danos colaterais das suas fantásticas brincadeiras e ainda por cima fazer todas as tarefas domésticas, trabalhar e etc., requer, sem dúvida, muita energia, mas também muita paciência.

A tentação de gritar com as crianças, para que ela obedeçam e para libertar também parte do stresse acumulado é grande. No entanto, gritar com as crianças tem consequências físicas extremamente negativas: veja quais são e como evitar ceder aos gritos.

As consequências nas crianças

De acordo com uma pesquisa realizada pelas universidades de Pittsburgh e Michigan, existem quatro razões pelas quais gritar com as crianças afeta negativamente o desenvolvimento neurológico e cerebral.

1. O corpo caloso cerebral – que conecta os dois hemisférios do cérebro – pode receber um fluxo de sangue menor, prejudicando o equilíbrio e a capacidade de atenção da criança;

2. Visto que o choro é usado para alertar sobre um perigo, ele estimula a produção de cortisol – a hormona do stresse – que predispõe o corpo a atacar ou escapar: portanto, o corpo da criança enrijece e os pensamentos param;

3. Gritar com as crianças prejudicará a sua auto-estima: elas podem sentir-se desprezadas, mesmo que a intenção dos pais seja corrigi-las;

4. Crianças que sofrem violência verbal podem desenvolver problemas comportamentais, tais como: atitude para mentir, depressão, agressividade e baixo desempenho nas atividades diárias.

Porque gritamos com as crianças?

Apesar de não conhecer detalhadamente os efeitos negativos dos gritos nas crianças, os pais sabem que os seus filhos sofrerão. Então, por que eles continuam a fazer isso? Essencialmente por estas duas razões:

1. Frequentemente, os pais reproduzem os padrões de comportamento pelos quais passaram na sua infância: se os seus pais gritavam, eles também o farão com seus filhos. Vamos nos livrar, portanto, do peso dos modelos errados de criação, também para não condenar os nossos filhos a fazer o mesmo quando se tornarem adultos.

2. A pessoa se abandona ao stresse e à exaustão, fazendo a raiva explodir contra as pessoas mais próximas a si, as crianças. Sabemos que isso é injusto e prejudicial: vamos parar com isso.

Portanto, vamos nos armar com muita paciência e enfrentar os momentos mais difíceis com a consciência de que, mais cedo ou mais tarde, eles terminarão e iremos lembrar de todo o amor que os nossos filhos nos dão.

Partilha com as tuas amigas:

Mais dicas:

Comentários: