Nunca deve comparar uma criança com outra… Cada uma é única!

Na vida social e profissional, as pessoas competem constantemente por uma posição, um status.

Tentamos aproveitar ao máximo o talento particular ou a contribuição especial que cada um tem e pode dar e continuamos a seguir sempre os mesmos padrões, o que pode ser “tolerável” para os adultos, mas inaceitável quando se trata da educação dos mais jovens.

Em casa, é errado comparar uma criança a outra, algo que por vezes os próprios pais fazem. Maioritariamente, são feitas comparações entre os filhos mais velhos e os mais jovens ou entre os seus filhos e os filhos de outras pessoas. Na verdade, não há uma idade exata para começar a andar ou a falar, e por isso não devemos usar continuamente as atitudes e qualidades de um sujeito como critério para todos.

Ouvir da própria mãe ou pai que o irmão ou irmã é melhor em alguma coisa não faz mais do que alimentar o ódio e a inveja entre as crianças. É uma corrida que ninguém pode vencer, porque se dá em duas pistas diferentes, e nem tem a mesma meta, o mesmo objetivo. A vida que aguarda os pequenos já é difícil, portanto para quê desperdiçar as suas energias?

O próprio sistema escolar muitas vezes leva as crianças a sentir-se inadequadas, reduzidas a simples números, que as reduzem e resumem tudo o que são e têm a oferecer. Por um lado, alguém pode dizer que esses sistemas ainda são necessários para estabelecer parâmetros universalmente partilhados, mas infelizmente assim arriscamos-nos a perder uma verdadeira herança humana pelo caminho.

Então, qual é a solução? Qual é o meio para educar as crianças de forma equilibrada? A comparação não o é certamente. Não devemos colocar na testa de cada indivíduo um rótulo também visível para os outros. Devemos sim limitar-nos a vê-los interagir, deixando-os seguir o seu caminho. Todas as habilidades da criança irão florescer no momento certo.

Portanto, é muito melhor educar os jovens e as crianças para a cooperação e não para a competição, porque sem a “ansiedade de desempenho” antinatural, cada um pode desenvolver-se livremente. Sem medo de pressão, julgamento e confronto, as crianças deixam de prestar atenção ao que não importa realmente e focam-se em si mesmas, aprendendo umas com as outras.

Partilha com as tuas amigas:

Mais dicas:

Comentários: