Os avós nunca deviam ter um neto favorito… As diferenças podem causar traumas profundos

pub

Acontece mais vezes do que pensamos, os avós terem um neto favorito.

Aquela ligação entre avós e netos é um relacionamento maravilhoso, um recurso muito precioso na vida daqueles que tiveram a sorte de poder conhecer esses “segundos pais”.

Amor, atenção e carinho: os avós podem dar tudo isso e, para crianças, adolescentes e adultos, eles realmente representam um ponto de referência fundamental.

Nas famílias de todo o mundo, no entanto, nem sempre tudo corre como deveria, e não é incomum que os afetos e atenções sejam distribuídos da maneira errada ou inadequada.

São situações com as quais provavelmente muitos já tiveram que lidar. Do que estamos a falar? Dos casos infelizes em que os avós escolhem um neto favorito, quase ignorando os outros.

Infelizmente, é inútil escondê-lo: essa dinâmica na família pode acontecer e até com bastante frequência. Tender a ter relacionamentos diferentes – mais ou menos próximos – de acordo com os membros da família é uma coisa bastante normal, mas essas diferenças nunca devem se tornar excessivamente acentuadas, principalmente quando se trata de filhos e netos.

O motivo é simples: se uma criança vê que o outro está literalmente a receber toda a atenção por uma figura importante como a de um avô ou avó, pode sentir uma grande e profunda dor emocional, que pode se tornar, dia após dia, insustentável.

Certamente não é responsabilidade da criança se um avô tem um neto favorito, mas muitas vezes, para os pequenos, isso é difícil de entender. Assim, diferentes tratamentos levam a fechamentos e ao afastamento.

Tudo, como em muitos outros casos de pequenos e grandes traumas emocionais sofridos durante a infância, pode afetar inevitavelmente a futura estabilidade e serenidade dos netos. Portanto, deve ser responsabilidade dos adultos – avós ou pais que sejam – não criar diferenças e preferências e, se isso acontecer, a melhor coisa é sempre intervir, tentando esclarecer e expressar claramente seus sentimentos.

Em primeiro lugar, os pais da criança devem alertar os avós, mesmo que esperem receber respostas indignadas ou negações dos avós. É verdade: não é simples, mas pode ser muito útil trazer à tona irritações e desacordos que, a longo prazo, só piorariam.

As crianças não têm nada a ver com isso e, muitas vezes, por trás desse comportamento, pode haver diferenças entre os avós e os próprios filhos. Afinal, ser adulto e maduro também significa ter a coragem de enfrentar: uma atitude difícil, mas ao mesmo tempo preciosa para o nosso bem-estar psicológico das pessoas que amamos.

Partilha com as tuas amigas:

Relacionados:

Comentários: